sábado, 6 de abril de 2019

• Half-ass man

That’s what I most of the times feel to be: a half-ass man.

After all, I’m a lazy guy. I live day by day, I don’t plan for the future. I’m not a catch for anyone. I’m not worthy.

Yet, one blessed day I came across a woman that cause me to worship the ground she walked on, indeed.

I loved - still love - and cherish every single inch of her. Mind, body and soul. From head to toe. But it’s not in my nature to do anything in my power not to lose someone I love.

To me, to love someone is to set her free.

One day this woman I worship told me she felt she could be herself by my side. Since then, it’s a sacred rule not to let feel otherwise. Ever. Whatever may she be or do.

I left her when I was foreseeing I would become a half-ass man. A burden. When I was worried about not being able to assure my self-sustainability and had to depend on her.

I am quite comfortable with the misery and uncertainty I live in. That’s the price one has to pay for being free from nowadays slavery. As naïf as this way of thinking may seem. I cannot ask anyone to share with me such kind of life.

Even if I won’t see her ever again, I will never, ever stop to worship the ground she walks on. Because I will always have in my visual memories these scenes I stared at her walking in her kitchen wooden pavement with her gracious bare feet and cute red painted toe nails.

terça-feira, 19 de março de 2019

• Sauna

At first I didn’t like it. But now I miss it.

My very first time was a bit traumatic. My body got confused with the sudden temperature changes and started to malfunction. And I even ended up in an hospital some 24 hours after my first sauna night on a family friend’s home.

The other sauna sessions that followed that first one were more normal. But still it was not so enjoyable to me as it is for all those that are used to saunas since they were born.

I hate the summertime weather in my country. I’m used to say that I was not “designed” to stand the hot temperatures we experience here in Lisbon during August. So why I would enjoy being locked in a wooden cabin full of hot steam, up to 90°C???…

Yet, nowadays I miss it… And the quite poetic text that I will quote next helped me to understand why I miss it. Here goes:

“Imagine a summer evening after a very long and very dark winter. Imagine it was tough but you survived.

Imagine a lake and a forest. The wind is very gentle and you can sense a smell of pine trees. The sun is low. A bird lands on the water and the rocks echo its sound.

Imagine a small wooden sauna by the lake and smoke coming from the chimney blurring the contours of the opposite shore.
Imagine the silence.

The S I L E N C E.

Imagine there is no need to pursuit anything, to play any role, to try to convince anyone of your excellence; no need to be beautiful or sexy or fit or young; no need to charm anyone with your intelligence or your competence or your wit. You can leave all this behind when you take off your clothes.

Imagine all you have to do is to be yourself.

Imagine how free that makes you feel.

Imagine sitting on the wooden bench of the sauna; imagine the dusk; imagine the gentle sounds of fire and of mixing hot water with cold water from the lake.

Imagine there are no machines; all that you do you do with your own hands.

Imagine the old wooden walls around you and all the old stories they have witnessed: babies who have been born there; brides that have been washed by their friends as part of their wedding rituals; old people whose loved ones have washed their bodies for their last journey. 

Imagine that all of it has been slow and meaningful. 

Imagine people crying for someone they lost or dreaming of someone very special. 

Imagine it’s all still there in that little sacred space.

Imagine that the Universe is all around you and you are part of it and you belong to it.

Imagine sharing the experience with other people who come as they are, just like you, no matter how they look like.

Imagine thinking that the old women who have given birth to four children are beautiful in a very special way.

Imagine the joy of kids who swim in the lake until they are so cold that their teeth clatter but who still want to keep swimming and laughing and playing.

Imagine going out on the veranda and letting the breeze refresh you. Imagine feeling the pure smell of the lake.

Imagine that nobody cares what you look like.

Imagine that nobody cares how much money you make or what your position in the society is or whom you are able to impress.

Imagine that what you share with other people in that small room is silence, a timeless moment of time, the mystical experience of being alive and human on this earth.

I don’t mind the health benefits or the good company. But you can’t really reduce the sauna experience to that kind of details.

Imagine sharing a moment between birth and death, being alive. Feeling alive.

That’s what I would say going to sauna is about, deep down.”

 - Katja Kaila
Finnish linguist, songwriter, feminist

Thanks, Katja. And I have to thank as well the beautiful selenite who was responsible to introduce me to sauna. Which I also miss.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

• Самая большая привилегия

“Самая большая привилегия, которая дается человеку
сверху, - быть причиной хороших перемен в чьей-то жизни.”
  - Блез Паскаль

В моей жизни было несколько людей, которые стали причиной хороших перемен... Хотел бы я им что-нибудь вернуть. Жаль, что мне еще никто не сказал, что я причинил ей хорошие перемены. Особенно последней женщиной, которая сильно изменила меня.

Спасибо, что осветил мой жизненный путь, Блейз.

____________________________________________________

Translation from Russian to English:

“The greatest privilege that is given to a person from above is to be
the cause of good changes in someone's life.”
 - Blaise Pascal

There has been a few human beings in my life that were the cause of good changes… I wish I could had given them something back. I wish I had been told I caused good changes. Specially by the last woman that has changed me deeply.

Thank you for highlighting my life path, Blaise.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

• O Ano do Porco

É hoje!…

Hoje em dia e desde há uns poucos de anos prestamos atenção a mais do que um calendário nos ditos países ocidentais. Agora damos também importância ao calendário do Império do Meio.

Agora, para além do recomeço anual convencionado a 1 de Janeiro, celebramos também nas capitais do mundo da cristandade o Ano Novo Chinês, que tem uma data volante, de acordo com o pico da fase da Lua Nova.

No último post falei sobre recomeços. Hoje, dia cinco de Fevereiro, é suposto termos de sentir - também por convenção colectivamente aceite - ou fingir que sentimos mais um. Começa um novo signo do horóscopo chinês. O último dos doze, o do Porco. No ano que vem será o meu, o do Rato.

O que significa que terei vivido 5 sequências completas de 12 animais. Ou 6 décadas.

Mas deixando de viajar para o futuro ainda por conquistar e focando-nos mazé no incontornável presente, registo agora a seguir o que se prevê para este ano:

“O Ano do Porco traz uma energia de leveza e alívio das tensões, prometendo ser um ano de recompensas, inclusive financeiramente.
O Porco pode ser associado à paz, à fartura e à valorização do amor 
e da compreensão entre as pessoas.”

A ver vamos…

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

• Volver a empezar

Tal como o magnífico filme cujo título está no título deste post, “Volver a empezar”, também a minha actual existência é feita de recomeços. Vários recomeços.

O ano passado acabou bem. Revi algumas almas de quem tinha saudades. E sobretudo aquela de quem tinha mais saudades. E de quem sempre terei imensas. Incontornavelmente.

Este novel anno da graça de dois mil e dezanove está a demorar a começar. E eu também estou a demorar a recomeçar. A minha inspiração para a usual escrita intimista e escorreita neste blog está a demorar a recomeçar. 

Já vamos quase no final do seu primeiro mês de Janeiro. Mas a fé continua aqui dentro de que algo grande vai acontecer. E o caminho faz-se caminhando. Por isso há que dar os primeiros passos.

É mister lembrar o que nos disse um dia Epicuro. Chegará um momento em que pensarás que está tudo terminado. Mas…

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

• Le silence et la paix

Les plus belles phrases d’amour sont dites dans le silence d’un regard.

C’est vrai. Et j'en ai fait l'expérience. Je pourrai vous parler des plus beaux yeux et sourire sur cette planète.

Mais ce n’est pas tout. Parfois un seul mot peut quand même aussi tout dire. Comme une simple ordre, dans la forme verbale d'un impératif “Relax!...”.

Suivi d'un câlin d'amis amoureux. Inattendu par celui qui le reçoit.

À ce moment là je me suis soudainement aperçu que j'ai jamais vu ni je verrai jamais un coeur si grand, noble et genéreux comme le sien. Comme celui de la maîtresse de mon pauvre petit coeur.

Tout le monde devrait savoir de l'éxistence de son sublime coeur. Parce que le monde a soif d'amour. Et elle est venu pour l'apaiser. Elle est l'amour, selon ces propres mots.

Pourtant, ce même monde qui a si besoin d'amour est le même qui peut tant nous blesser. Et pour cela...

Aimer, c'est donner à quelqu'un la paix que le monde enlève.

Et c'est ce que j'ai surtout essayé de faire. Et c'est ce que j’aurais envie de toujours faire, dorénavant. Pour effacer mes fautes.

Ainsi les anges peuvent me conduire.

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

• 友誼*

Yes, pure friendship is indeed possible between a man and a woman. And I’ve felt it strongly very recently. 

So strongly that I even begin to wonder why love seems sometimes not to be so much possible. After all.
____________________________________________________

* “Friendship”, in mandarin.

terça-feira, 13 de novembro de 2018

• 爱是棘手的*

命运正和我一起玩游戏。 我正在接受一个真正棘手的测试。 我只希望我的这种宗教,爱,不会让我陷入完全的情感灾难。
____________________________________________________

* “Love is tricky”, in Mandarin.

I better leave here in today’s post also the translation of what I intended to express, in English, just in case… I like to play in this multilingual blog with all languages in this world, even with those I don’t speak. Like Mandarin. Which is so graphically appealing. But I’m almost ever satisfied with the results Google Translate gives back to me. So, here goes:

“Destiny is playing games with me. I am being submitted to a truly tricky test. I only hope that this religion of mine, love, will not let me fall into a complete emotional disaster.”

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

• No problemo

I’ve been quite lucky lately. After a recent and long period of a few incidents, I think I can say I have regained a certain control of my life.

I don’t have today a single real problem. I only have a wish.

I wish I could have someone expecting me when I come back home. Or someone I would expect home for her.

I wish I wouldn’t have to sleep alone anymore. I wish I could see every single morning when I wake up a pair of eyes next to mine.

Like it did happened to me three years ago.

terça-feira, 4 de setembro de 2018

• Chica enojada*

Please, don't be angry with me, girl. But when I took this photo, I was thinking about you. I always am.

it doesn’t matter how this world will turn. You are and always stay in my mind. Besides, there’s a lot of very simple things and facts that remind me of you, every single day.

You were probably right once, when you said our gathering was a mistake. Yours and mine. But I wouldn’t mind to repeat that very same big mistake again. And in a more lasting way.
____________________________________________________

* Angry girl, in spanish, a language she started to learn.

Note: Angry Birds is a product of Finland. Of which the finns are so proud of it.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

• it's scientifically proven…

Funny statement… But will it always be a true one?… Sometimes I feel or I wish it was.

I did look her in the eye. And she said one fine day, when we were apart from each other, she missed my eyes staring at her. 

sábado, 18 de agosto de 2018

• My personal Cinderella

Nesta etapa da minha existência, não tenho ninguém que me queira e a quem eu queira de volta. Se é que alguma vez tive...

Mas tenho um ideal. Tal como qualquer príncipe tem a sua Cinderela. Eu sei como é - ou será - my personal Cinderella.

Não possuo nos meus armários um sapatinho de cristal com o molde perfeito do seu esbelto pézinho, como na clássica história infantil. Mas conheço e tenho na minha mente a imagem de como é o sapatinho que é o reflexo da sua alma mais profunda. 

Aquela alma de quem é addicted to love. Tal como a mais bela das cortesãs. Tal como eu mesmo.

Se acaso tivesse existido numa qualquer parte deste mundo dos deuses o equivalente no masculino ao que a nipónica geisha representa, eu seria um desses singulares seres. 

Se não tiver sido por mais nada, eu creio ter nascido - ter vindo a este planeta, dito talvez com mais prioridade - para fazer a mulher a quem toco o corpo e a alma sentir-se amada. Como nunca antes tinha sido. 

Haverá alguma outra missão na vida mais urgente e nobre?...

I’ve never been loved this way before”, disse ela um dia.

terça-feira, 17 de julho de 2018

• 25 anos...

E assim de repente, damo-nos conta que já passaram 25 anos ontem, dia 16 de Julho.

Não posso de todo deixar de assinalar este marco temporal. Apesar de tudo parecer ter sido fácil. Bem fácil. Bem natural.

E nada mais há a dizer. A não ser… que existe um erro gramatical neste meme. E agora sim, é tudo.

segunda-feira, 2 de julho de 2018

• Idiopático

Ainda tão-só no post publicado no mês passado acreditava que andava com muita sorte… E agora já me apetece fazer uma resenha de alguns azares que me acometeram nestes últimos tempos.

Em Outubro passado, começo a sofrer dum quisto dermóide. Que me impede de continuar a conduzir. Sinto todos os buracos da estrada na coluna vertebral. Felizmente a perturbação lá desapareceu, tal como veio. Lentamente mas evitando ter sido necessária uma intervenção cirúrgica.

No princípio da época natalícia, caí numa escadaria e abri o pulso da mão direita. Padeci semanas a fio sem poder usar essa mão e esse braço. Cuidei que nunca mais iria voltar a ter a sua funcionalidade. Hoje lá a tenho. Mas não sei se poderei usar a força de braço da mesma forma como dantes. Talvez não. Mas pelo menos voltei a conseguir conduzir veículos com mudanças manuais. Menos mal.

Em Fevereiro descubro num rastreio que devo ser diabético. Daí compreender então a sensação de cansaço que me invadiu no verão do ano passado.

Por alturas do Festival da Eurovisão em Lisboa, ou seja, de meados de Abril a meados de Maio, veio-me uma crise de pernas cansadas e dores nos joelhos. Que entretanto amainou, quiçá com a ajuda de crioterapia, mas que sinto que pode a todo o instante ressurgir.

E agora bem recentemente, na quinta-feira da passada semana eis que de súbito acordo e vejo no espelho que tenho a boca torta. E a voz entaramelada. E solto lágrimas de crocodilo do olho direito. O lado da face que passou de repente - e sem que eu me pudesse aperceber disto vir no meu caminho - a sofrer duma paralisia facial idiopática, ou paralisia de Bell. Moléstia que médicos me afiguram que levará semanas até se debelar…

E neste derradeiro azarinho que desceu em mim ainda poderei crer ter tido algum golpe de sorte!… Pois a coisa podia ter sido bem pior. Como um princípio de AVC. Aliás, quando me dirigi às urgências do hospital mais próximo, ainda no serão dessa quinta-feira, a triagem feita achou por bem espetar-me logo, logo numa cadeira de rodas, não fosse dar-me um fanico nas horas seguintes.

Este incidente, no entanto, deixou-me com a cultura geral uma beka mais enriquecida. Com este novo termo para mim, idiopática… Que assaz me intriga.

Idiopático… Palavrão a tresandar que tem a mesma raiz que idiota… O Wiktionary.org elucida-nos que:

Do latim idiota (la), originado do grego antigo ἴδιώτης (idhiótis), "um cidadão privado, individual", derivado de ἴδιος (ídhios), "privado". Usado depreciativamente na antiga Atenas para se referir a quem se apartasse da vida pública.

Idiota eu serei, porque de facto me aparto da vida pública e cada vez mais me comporto como lobo solitário. Me comporto e me conforto nesse modo de vida.

Já na Wikipedia.org, voltando à vaca fria…

Idiopático: adjetivo usado primeiramente na medicina significando surgido espontaneamente ou de causa obscura ou desconhecida. Derivado do grego ἴδιος, idios (de si próprio) + πάθος, pathos (sofrimento).

Mas o que é isto “de causa obscura ou desconhecida”???… Então a tão desenvolvida medicina ocidental ainda tem estas pequenas lacunas do conhecimento?…

Tenho para mim - idiota que sofro de doença idiopática, que deliciosa coerência… - que a tal “causa obscura ou desconhecida” deve ser alguém - ou talvez mais do que uma pessoa… - ter uma boneca voodoo cá do rapaz!…

Toda esta sucessão de incidentes menos bons tem levado a que eu me tenha retraído na perseguição de um sonho. O de sair do meu país natal, que entretanto se me tornou tão aziago.

Tenho de dar esse decisivo passo que tanto tenho adiado.

Queria muito voltar a lugares onde já fui muito feliz. A reunir-me, nem que seja uma última vez por breves instantes, com aquela sobre a qual cresceu-me a convicção de que nasci para ela.

Mas desconfio que embora questa donna è molto mobile, a sua derradeira e definitiva vontade é de que essa reunião das nossas almas e corpos não se produza mais nesta presente existência nossa.

Tal não me impede de lhe desejar toda a felicidade deste mundo, com esta sua bem clara escolha.

Mas eu também quero e acho que mereço ser feliz. E hei-de sê-lo. Ou até já o sou, e não tenho podido sempre dar-me conta. Apesar desta sequência de azares.

Dizem que depois da tempestade vem a bonança. Mas se calhar não vou esperar mais o fim da borrasca para começar uma vida nova.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

• Com o diabo no corpo

Tenho a felicidade imensa de ter uma boa amiga com quem posso ter os diálogos mais livres, francos e divertidos que se possa conceber. E hoje não resisto a partilhar as palavras queridas que ambos trocámos há instantes.

Esta minha boa amiga é uma guerreira. Que tem estado a lutar contra aquela doença terrível que obriga a violentos tratamentos clínicos e a remover partes do nosso corpo.

É também uma mãe-coragem que cuida de seus dois filhotes quase sempre sozinha.

E é uma alma pura que me ajuda a purificar a minha própria alma com o contágio que a nossa amizade de já longos anos me proporciona.

Entre nós todas as manifestações de humor são possíveis e bem vindas, desde o princípio da nossa interacção no ciberespaço. Onde sempre esteve e talvez estará. Porque há um oceano que nos separa. 

À beira do qual eu me encontro tantas vezes. E o contemplo junto com os olhos dos viajantes que comigo andam, diariamente. Sabendo bem o que há para lá da linha do horizonte.

Hoje recebi desta minha amiga uma das suas muitas mensagens no WhatsApp. Um pequeno video fofinho para nos recordar a nós humanos como os aninais nossos amigos nos têm tanto a ensinar em matéria de afectos.

E com o diabo que desceu em mim de imediato resolvi aproveitar a deixa para devolver algo jocoso à minha maneira a esta amiga guerreira. Algo que está mostrado na captura de écran do meu telefone móvel acima.

Algo que é uma costumeira private joke só nossa. Minha e dela. Aquela parte do cachorro é uma longa e antiga história.

Mas não contente com isto, vai de apimentar ainda mais a minha provocação a ela. Como se mostra nesta outra captura de écran

Talvez nem com aquela criatura que eu mais amo nesta terra poderia ter este tipo de troca de miminhos. Até porque it’s so funny how we don’t talk anymore. Mas gostaria que tal fosse possível, sim.

Aliás, gostaria que fosse sempre possível com todo e qualquer ser humano especial que de mim se vai aproximando e me valoriza com a sua amizade e carinho.

Amizade e carinho de que não me posso queixar da sua falta ao longo destes últimos anos desta minha actual existência. Quer vindos do mundo virtual, quer dos viajantes a quem sirvo com a minha expertise nos locais idílicos do meu país aonde os levo amiúde.

Tenho sido um diabinho com muita sorte…  ;-)